Gravidez: Descobrindo o Sexo do Bebê

Série Gravidez.002

Sim! O mundo é das mulheres e estou fazendo a minha parte trazendo mais uma delas ao mundo! Haha!

Com 13 semanas eu fiz a ecografia morfológica e o médico disse: “É uma menina”. Gente… Eu fiquei em choque. C-H-O-Q-U-E! Eu tinha certeza que seria um menino. Pedro é o nome do filho que eu teria após minha primeira gravidez ser de uma menina (sim, sempre soube que a primeira seria menina…) e esse é o único nome masculino que tenho na cabeça de 2005. Logo, quando o médico disse “menina” eu não acreditei, até porque eu já havia comprado uma roupinha de menino (quem lembra do macacão LITTLE BROTHER que postei no Instagram?). Na verdade, eu não soube lidar com o fato da minha intuição estar enganada. Assim, eu ignorei o médico e segui a vida, mas já pensando em nomes femininos, os quais não foram meu forte na primeira gravidez e também não seriam nessa segunda.

Na consulta de 17 semanas fizemos nova eco e… MENINA. Ok. Aceitei o fato! Não só aceitei como me dei conta de que coisa maravilhosa seria ter outra menina. Primeiro porque eu já sei como é ser mãe de menina; segundo porque minha filha teria uma amiga para a vida toda (vamos fingir que elas não vão brigar, ok?!); e terceiro porque eu já tenho um monte de roupas e sapatos e brinquedos e acessórios e carrinho e UHUUUUL!!!! Super economia!
A economia só não será maior porque a Victoria (fala-se Vitória mesmo, tá?!) nasce no inverno, o que significa que as roupas terão de ser renovadas, uma vez que as da Stella são de estações trocadas. Além disso, como eu tinha certeza que teria um menino depois da Stella, muitas das roupas de bebê até 18 meses eu doei para as outras meninas da família, ou vendi para brechós para comprar roupas novas. Os 3Rs funcionam por aqui! Maaaaas, quando eu estava para vender os macacões de 18 meses de inverno da Carter’s, minha mãe disse: “E se teu próximo filho for uma menina? É melhor tu aguardar mais um pouco antes de vender…”. Sabedoria de mãe, né, gente!? Hehehe.

A escolha do nome foi uma pequena novela. Precisei apelar para metodologias empregadas por outras amigas, porque meu marido e eu não concordávamos em nome algum. Então minha amiga disse: “Cada um de vocês escreve 10 nomes em um papel e vão, um a um, riscando o nome da lista do outro até sobrar três nomes de cada lado.” E foi o que fizemos. Quando chegamos nesse ponto, eu olhei para um dos nomes da lista dele e disse: OK! Mas como eu escolhi o nome da Stella na escrita em latin para “facilitar” a vida dela ao redor do globo, pensei o mesmo para a Victoria. Assim como seguidamente chamam a Stella de “Estela” e eu não corrijo, Victoria também vai ser chamada de Vitória e segue a vida, sem problemas.

Eu pensei em nomes mais óbvios, como Luna, Lúcia ou Clara, afinal, já tem uma estrela, então vamos seguir pelo mesmo tema :). Mas, achei também que Victoria seria um nome tão forte quanto Stella e assim não ia ter adolescente em crise dizendo “Por que o nome dela tem um significado mais legal que o meu?”. Sabe adolescente, né? Bem assim…

Resumindo: Stella terá uma irmã chamada Victoria.

🙂

 

Anúncios

Decoração Afetiva: Como (re)decorar o quarto da criança sem ir à falência?

Se você recém se descobriu grávida, ou se você já tem uma criança, terá de encarar o inevitável: pensar (ou repensar) a decoração do quarto do bebê (ou criança)! Embora a preparação do quarto do bebê ou criança seja algo que nos dê um imenso prazer, também é algo que nos causa ansiedade por dois motivos:

  1. Existem MUITAS opções de decoração e estilos na rede e temos que escolher um deles;
  2. Quase tudo que vemos naqueles lindos perfis de decoração infantil do Instagram (como os linkados nesse post…) é bastante caro. Por que? Porque, além de serem produção brasileira ou artesanal, mães são seres que costumam gastar com a prole um valor que jamais gastariam para si!
    Quem nunca saiu para comprar algo para si e voltou sem nada, mas cheia de sacola para a criança? Haha!

Com base nesses dois pontos, eu lhe digo: É POSSÍVEL DECORAR SEM IR À FALÊNCIA! Como? Com o que eu chamo de “REAL” DECORAÇÃO AFETIVA. Decoração afetiva é aquela que integra objetos pessoais e reflete a sua história. Minha idéia de REAL decoração afetiva é se envolver pessoalmente, criar ou transformar objetos, conceitos e etc., você mesmo, por amor…

No início, quando me descobri grávida, minha preocupação eram os móveis. Achei os preços das lojas físicas um tanto impraticáveis. Então meu marido e eu decidimos comprar online e não só economizar no valor do produto em si, mas montar os móveis nós mesmos (foi uma maneira de envolver o marido no “projeto” do quarto…). Compramos tudo no site da Tricae: roupeiro, berço e cômoda. Na minha época não tinha, mas agora eles tem até cama Montessori agora! E o preço que vi é ótimo!

Uma vez tendo os móveis, pintamos o quarto todo de branco. Eu pretendia pintar umas coisas legais, como uma casinha estilizada na parede e outras coisas do tipo “decoração minimalista”, mas a verdade é que eu não tenho destreza pra isso. Então resolvi decorar com adesivos, desses que é só “montar” o desenho. Coloquei também três quadrinhos e pronto. Além do fato do bebê não enxergar bem por vários meses, fazer algo simples foi uma boa idéia, pois quando Stella tinha três meses tivemos de mudar de apartamento. Acabei mantendo a mesma coisa no apartamento novo até ela completar dois anos, há alguns meses.

A medida que ela foi crescendo, senti necessidade de tornar o quarto dela mais atrativo, já que ela já podia interagir com “o mundo”. Então, em abril, depois de muito pesquisar e pensar e etc, acabei comprando algumas coisas que queria e colocando em prática algumas idéias com itens e brinquedos que já tinha em casa. Eu sempre imagino uma coisa e acabo criando outra! Mas sempre gosto do resultado! Haha. A verdade é que sou muito apegada às minhas criações… 😀

Vou explicando o que fiz/comprei nas imagens abaixo.

Em detalhes:

Sim, minha filha dorme numa cama de casal. Razão? Minha comodidade! Se quiser saber mais sobre todas as formas de dormir que já passaram pela Stella, deixe um comentário! Haha.

Como “cabeceira da cama, então, temos adesivos de triângulos na cor coral, formando montanhas (imaginação, people, imaginação…), da loja Mooui. Comprei em promoção por R$ 29,90. Também da Mooui são as três almofadas quadradas coloridas. Na promoção de leve 3 e pague 2, saíram todas por cerca de R$ 70.

Os bichinhos redondos, pinguim e sapo, custaram R$ 27 cada, e a almofada de bolinhas que está no pé da cama junto com o macaco, custou R$ 20. Todos comprados no supermercado Ta-ta, do Uruguai. A boneca de pano foi presente de dia das crianças de 2017. Mandei fazer uma Tilda Toy com a Azul Retrô Atesanato com base na roupa do primeiro aniversário. Achei uma boa lembrança e o valor foi R$ 105 com frete.

Na parede, a letra S e a estrela com LED foram presentes de uma amiga minha no primeiro aniversário. Eram brancas e eu pintei com tinta acrílica, dessas bem comuns. Os adesivos junto da estrela são sobras do adesivo de parede anterior. Os olhinhos sonolentos (cílios) são da Hurra! Design Afetivo, e custaram R$ 35, se não me engano.

Na parede da janela eu apenas aproveitei um quadrinho que havia comprado há anos, para mim mesma. Achei que as cores e a própria mensagem combinavam com tudo. A bateria (ou estação musical) foi um presente dado pela minha tia no aniversário desse ano, de dois anos.

Na parede lateral, onde estão os bichinhos e a cômoda, eu já tinha quase todas as pelúcias. Um terço é da minha infância e adolescência, os demais foram presentes e aquisições ao longo desses quase três anos de “existência” da Stella. Já os três quadros são da primeira decoração, apenas mudei o desenho de cada um.

Na cômoda estão a luminária de picolé que comprei ainda grávida; o avião de madeira dado também pela minha tia; o leão de madeira que foi presente da minha mãe há bastante tempo; a letra S em MDF que forrei com tecido para o chá de bebê; o livro de histórias que meu marido comprou há tempos (não lembro onde…) e o arco-íris Waldorf em madeira da Hurra! Design Afetivo, que custou R$ 85, se não me engano.

Ao lado da cômoda está o cabide em madeira, também da Hurra Design Afetivo, que custou cerca de R$ 59 e um espelho que foi feito a partir de um antigo, no qual apenas troquei a moldura por R$ 25.

Todo o resto que não foi mencionado é porque já haviam sido adquiridos ao longo do tempo, ou ganho de presente.

OU SEJA: para redecorar o quarto da Stella, gastei menos de R$ 500, mais precisamente, R$ 489. Ficou perfeito? Não. Ficou a decoração mais linda que já vi? Não! Ficou parecido com os lindos projetos que vemos nos feeds do Instagram? Definitivamente não! Mas foi pensado por mim, em parte feito por mim (afinal, um profissional não deixaria os adesivos tão tortos!!!) e utilizando muito do que já tinha para poder gastar apenas com aquilo que realmente queria ter… E deu super certo! A reação dela vendo o S e a estrela foi muito fofa (tem foto + vídeo no Instagram @raquelkriedt_nnd), e ela adora arco-íris então sempre menciona. Além disso, a almofada com desenhos também ganha bastante atenção, além dos triângulos, os quais ela fica “contando”.

Claro, se você vai decorar do zero, esse valor vai provavelmente triplicar. Mas deixe para dar os acabamentos, como pelúcias e etc., mais tarde, quando seu bebê realmente gostar da coisa. Tirando as pelúcias que eu já tinha e uma ou outra que eu havia comprado já na gravidez, a maioria foi comprada ou ganha depois do um ano da Stella. Até lá ela nunca deu bola para os bichinhos…

Além disso, toda criança é mesmo única. Eu achei que ela iria amar aquele leão de madeira pois estava numa fase em que adorava leões, mas nunca deu muita bola. A Tilda Toy ela também nunca deu bola, embora eu explique que é a versão mini dela mesma… Coisas que eu curti e achei que ela iria gostar, nunca se “concretizaram”. Então é bom ter em mente que, principalmente no início, a decoração é mais para você do que seu filho. Se você não está torrando dinheiro, é importante priorizar.

Se você conhece alguém que se beneficiaria dessas dicas, não deixe de compartilhar esse post. E “pina” ele, amiga! “Pina” sem dó! Pinterest é a minha maior fonte de qualquer coisa hoje em dia! Haha!

Se você também gosta de criar e decorar você mesma (o), me marca na sua foto do Instagram e vamos mostrar para o mundo com a hashtah #realdecoraçãoafetiva?! Haha.
Eu super crio minhas revoluções solitárias. Nem ligo!

😉