Livro Resumido: Crianças Francesas Não Fazem Manha

download

Há alguns meses, por necessidade, eu li o livro Crianças Francesas não Fazem Manha. Juntamente com a sua seqüência, Crianças Francesas Dia a Dia,  achei muito interessante. Não só isso, mas gostaria MUITO de ter lido antes, ainda na gravidez.

É engraçado porque ouvi falar maravilhas sobre ele, mas, na verdade, os ensinamentos parecem ser muito óbveos, instintivos… Ainda assim, é revelador. Hehe.
Por isso, resolvi separar os pontos principais, de maneira suscinta,  para você que não tem tempo de ler o livro todo, porque… Como eu, tem um bebê ou criança para cuidar. Hehe.

A idéia principal do livro é BEBÊS SÃO CAPAZES DE ENTENDER DESDE CEDO O MUNDO AO SEU REDOR. Essa idéia é baseada, principalmente, na experiência de Françoise Dolto (1908-1988), pediatra e “psiquiatra” francesa que trabalhou com crianças.

Sem rodeios, vamos aos pontos observados no livro, lembrando que se baseiam na realidade parisiense e em estudos comportamentais…

  1. Fazer uma pausa de alguns minutos antes de atender o bebê recém-nascido (até 4 meses).
    “Deixar o bebê chorar por dois minutos é melhor do que deixá-lo chorar por vários minutos mais tarde, caso precise usar alguma técnica para ensiná-lo a dormir.”


    Verdade. Assim é mais fácil, inclusive, de descobrir o porquê a criança está chorando. Eu, por exemplo, tenho vergonha de admitir que nunca reconheci os diferentes choros da Stella. Sempre pulei em cima dela quando ela abria a boca e, gente, essa guria sempre teve uma goela… Mesmo tentando a técnica mais branda de “ensinar a dormir” foi um evento traumático para mim.

  2. Independência gera independência e vice-versa.
    Bebê que brinca sozinho, dorme sozinho.
  3. Bebês necessitam comer tanto quanto adultos. Logo, os horários mais adequados de alimentar o bebê são os mesmos horários nos quais os pais se alimentam (8h, 12h, 16h e 20h).
  4. Fazer o bebê esperar o ensina paciência e gera adultos mais calmos e fortes.
    “Paciência e autocontrole permitem maior imersão nas atividades e, com isso, uma melhor experiência.” 
  5. A chave da paciência é a auto distração.
    A auto distração é algo que a criança aprende sozinha quando precisa esperar. Assim, é dever doa pais permitir que ela possa aprender sozinha, dando-lhe “tempo”.


    Gente, eu tenho uma criança MUITO impaciente que sempre dependeu muito de mim para se distrair. Desde que passei a fazer ela esperar, ou “se frustrar” um pouco, ela passou a se distrair sozinha por um pouco mais de tempo, mas não ficou mais paciente :P.

  6. Não interromper uma criança que está bem sozinha é crucial para que ela entenda que é possível ser feliz sozinha (ficar bem sozinha).
  7. Aprenda a observar quando o bebê precisa e QUER a presença da mãe.
    Não adianta se meter quando não precisa, mas não estar lá quando a criança quer.
  8. Ter limites estabelecidos torna, a longo prazo, as crianças mais “felizes”.
    Onde não há limites, ou em lares que os pais cedem, sempre há choro, frustração e escândalos.
    Aqui em casa, se não ceder tem choro e escândalos também! >.<
  9. Lidar com frustrações é uma habilidade essencial. Não ensinar, é negligência.
    DICA: Ao dizer noã, explicando a razã,o e passar por uma birra, calmamente abrace a criança (se ela aceitar) e conte uma história da sua vida que se relacione com a situação. Crianças adoram saber da vida dos pais.
  10. Introduzir pequenas frustrações entre 3-6 meses de idade ajuda na fase de birras que tem início ao redor dos 2 anos.
    “Ouvir NÃO resgata a criança da tirania de seus próprios desejos.”
  11. O fato de seu filho sentir raiva de você por estar impondo limites não significa que você está criando ele mal.
    Se você não limita seu filho, deixa essa tarefa para ele, o que pode gerar ansiedade na criança, principalmente se ela não sabe como fazer.
  12. O bebê deve se adequar à família e não a família a ele.
    Normalmente a partir dos três meses, ele já é capaz de entrar no ritmo da família.


    Eu entrei no ritmo da Stella, com certeza. Mas acredito que isso aconteceu mais porquê eu “podia”, pois não tinha que manter uma rotina diária fora de casa.

  13. As crianças devem explorar, despertar e descobrir naturalmente suas habilidades sem que os pais as forcem.
    Tudo tem seu tempo certo. Atividades para crianças não devem ter uma “função”específica, ou seja, não deve haver certo ou errado. Cada criança tem seu tempo , então não há necessidade de ensinar seu filho a ler com três anos se ele não mostra interesse algum nisso.
  14. Seja rigoroso no que precisa e flexível no que pode.
    Mantenha rigor com horários de comer, dormir e ver TV, mas ter flexibilidade com atividades, por exemplo.
  15. As crianças devem ser incluídas.
    Elas sentem o que se passa ao redor, logo, se não falamos a verdade elas se sentem confusas.
  16. Para as crianças, tudo tem uma razão.
    A birra acontece por uma razão. A criança não sabe explicar qual, mas ela não surge do nada.
  17. Ao dizer NÃO ou fazer a criança esperar, explique.
    Palavras como direitos e deveres podem ser introduzidas desde cedo. Assim, é possível dar à criança a noção que ela não tem o direito de bater na mamãe, por exemplo.
  18. Ser mãe e ser mulher são tarefas igualmente importantes.


    Essas duas tarefas são, talvez, as mais difíceis de conciliar nos primeiros anos da maternidade.

  19. Seu filho é importante, mas seu relacionamento também é.
    Sacrificar a relação é um alto preço a pagar para ter um filho. Em tese, o filho vem para aumentar a felicidade do casal, não para acabar com ela.
  20. Estabelecer um horário fixo e plausível para o bebê dormir é essencial para que o casal tenha tempo para si e para serem um casal.
  21. Existe uma razão para o ditado “Mãe é mãe e pai é pai.”
    Homens e mulheres executam uma mesma tarefa de maneiras diferentes. Respeitar essas diferenças é saudável para o casal e benéfico para o bebê.


    Fato. Homens e mulheres vêem o mundo de forma diferente. Exigir que o pai faça uma dada atividade exatamente como a mãe é um problema clássico de pais de primeira viagem. Ambos se frustram.

  22. Abrir mão do controle é uma maneira de ter mais tempo para si mesma e seu relacionamento.
  23. Não existe “paladar de criança”.
    Crianças devem ser expostas à todos os gostos. Caso ela rejeite a comida, tente novamente em outra ocasião, de outra forma, etc. Muitas vezes o “gosto”é apenas uma questão de se acostumar com o alimento.

Não concordo com todas as idéias do livro, mas admito que me abriu a mente para algumas idéias. Espero que possa ajudar você também!

🙂

Anúncios